quinta-feira, 7 de novembro de 2013

#Segunda Guerra Mundial ~Parte 1

  A Segunda Guerra Mundial é um assunto muito abordado hoje, tanto em livros como em filmes. Embora a maior parte desses suportes nos tragam o elemento do nazismo como principal ponto de conflito da obra, ainda assim podemos observar perspectivas diferentes em cada um deles. Pensando nisso, decidimos fazer essa série de posts baseados nos livros que trazem à tona essa temática. Hoje, apresento a vocês A Menina que Roubava Livros.


  "A 'Segunda Guerra' para adolescentes". Assim se poderia definir A Menina que Roubava Livros. A premissa, definitivamente, é essa. Não é um livro adulto, como O Menino do Pijama Listrado, que apesar da pouca idade do protagonista, não é, definitivamente, uma obra para o público mais jovem. O romance de John Boyne é bem mais resumido e deixa muitas coisas abertas para a dedução do leitor - que só compreenderá completamente a história se tiver algum conhecimento prévio sobre a temática. Já no livro de Markus Zusak, embora algumas coisas ainda sejam deixadas à interpretação do leitor, os fatos são mastigados e entregues de uma maneira perfeitamente compreensível. Não é aí, porém, que reside o defeito do livro, pois levando em consideração o seu público alvo (pré-adolescentes ou jovens que estão iniciando-se na leitura), a tática é eficaz.

  O primeiro problema de A Menina que Roubava Livros é o apelo exagerado às metáforas. O autor procura construir um texto extremamente subjetivo, valendo-se para isso de algumas figuras de linguagem, porém de maneira infeliz. O uso do estilo metafórico sobre abuso tão indecente quanto o sexual, resultando em passagens desconexas e sem sentindo. Em síntese, o que Markus Zusak tenta fazer em seu livro, de maneira frustrada, é o que Clarice Lispector nos traz com maestria - porque, a despeito de tudo, tem-se que dar o braço a torcer e admitir que Lispector é, de longe, dentre os escritores, uma das que melhor domina a técnica de se criar um texto transbordando de subjetividade.


  Ao virarmos as folhas, nos deparamos com muitas situações desnecessárias e forçadas - muitas, muitas mesmo - e a leitura de 400 páginas adolescentes se torna cansativa e massante. Embora a narrativa de Zusak não seja completamente despida de valor, ela está longe de ser impecável, e esbarramos em períodos curtos demais, pontos finais que aparecem na hora errada e parágrafos que parecem ter saído de lugar nenhum. Estes são os recursos utilizados pelo autor para tentar conduzir o leitor em um ritmo de leitura exótico; e ao mesmo fator se atribui sua tentativa vã de enfatizar determinadas passagens.
  Quanto ao carisma dos personagens, não há muito o que se criticar. São pessoas simples, cativantes da sua maneira, e é fácil se apegar à vários deles - mas daí a derramar lágrimas ao final (principalmente por que os capítulos de conclusão são exageradamente forçados), é outra história.
  Ao chegar ao fim do livro, a impressão que tive foi uma só: uma verdadeira hipérbole. Uma história simples enfeitada demais, na tentativa de cativar o público jovem. Bom, isso o autor conseguiu; escreveu um best-seller mundial. Mas daí a escrever algo com verdadeiro valor literário...



12 comentários:

  1. Eu gostei da ideia do livro, realmente foi boa. Mas, tenho que confessar, concordo com você. Foi uma coisa meio forçada, algumas coisas [diga-se de passagem, muitas] foram desnecessárias. Eu li o livro há muito tempo, mas lembro de tudo.
    Pra mim, é meio que como a Culpa é das Estrelas.
    Toooooooodos super elogiam, falam suuuuuuuper bem do livro. Porém, quando se pega para ler, a ideia é boa, mas não é aquela Coca-cola toda.

    http://desbravadoresdelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Vitor, tudo bom?
    Sério que o livro foi tão "too much" assim? Esse é daqueles livros que eu sempre marco para comprar e nunca compro, sabe? Mas definitivamente preciso lê-lo agora para ter uma contrapartida à sua resenha, já que só tinha visto positivas e declarações de amor por ele.
    2ª guerra e Nazismo são duas temáticas que eu adoro comprar e ler, assim como Revolução Cultural e fantasias em geral!
    Amei a sinceridade no post, parabéns!
    Beijão
    Endless Poem

    ResponderExcluir
  3. Ah, eu admiro tanto este livro, mas talvez a temática de guerras ajude um pouco, afinal, tenho verdadeira afeição por estes assuntos. Em alguns pontos concordo contigo e confesso que não havia parada para pensar até então (como as características das personagens e algumas situações um tanto exageradas) , ainda assim continuo amando a essência dele. Parabéns pela sinceridade na resenha. (Te encontrei pelo skoob - você me mandou uma mensagem - e estou te seguindo desde então :D Parabéns pelo blog e se puder, dê uma passadinha no meu ? Obrigada )

    http://deixando-o-ninho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Victor! Eu amo esse livro, mas concordo com a maioria dos seus argumentos, li na minha época da adolescente, acho que tinha 14 anos, e não reli de novo, mas o livro me conquistou, principalmente pelas personagens e as histórias dos personagens, a criatividade por ser a morte a contar também contou muito, e pela protagonista se apaixonar por livros, também contou bastante. Diferente de você, chorei no final, e esse livro se tornou um dos meus preferidos, mas claro, se comparar no gênero, há livros muito melhores, e a história é realmente enrolada (como O Silêncio das Montanhas, do Khaled Hosseini, se ficou curioso tem resenha lá no blog). Espero que vocês façam resenha nessa série de O Diário de Anne Frank!

    Beijos,
    Luana
    http://gimmeflowers.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nunca li o livro. Ás vezes acho que sou a única pessoa do mundo a não tê-lo lido.
    Mas gostei da sua crítica, está muito bem construída sob argumentos facilmente aceitáveis!
    http://entreversoseparagrafos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu amo livros com este tema. Tem inúmeros com ele, alguns sou louca para ler mas ainda não li. A menina que roubava livros eu li até metade, lembro que parei para ler outro livro que não lembro mais qual era. Me arrependi de ter parado, qualquer dia eu pego de novo..rs

    beijos
    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Olá rapazes,

    Eu prometi que leria e cá estou eu. Bem, primeiramente eu queria dizer que nunca consegui terminar de ler este livro. Para ser mais específico, eu o abandonei. É.. não saberia te dizer exatamente o por que, mas na época eu era jovem demais e prematuro no quesito leitura. Eu devo não ter gostado da temática ou algo do gênero. Mas eu lembro que em algumas partes eu achei amedrontador. Acho que isso se deu pelo fato de ser narrado pela morte ou alfo assim. Mas eu gostei da 'resenha'. E queria até aproveitar para deixar nosso link aqui de um Selo/Tag que respondemos recentemente e que vocês foram indicados. Espero que gostem meninos.

    http://solsticioeequinociooficial.blogspot.com.br/2013/11/selos-memes.html

    Att,
    V. I. Neves

    ResponderExcluir
  8. Olá, passei apenas pra dizer que já estou te seguindo e voltarei aqui futuramente pra fazer comentários sobre os posts.
    Seu blog é maravilhoso, convido você e suas leitoras a conhecer meu blog
    http://toobege.blogspot.com.br/
    Beijinhos

    Quem seguir no insta, sigo de volta http://instagram.com/theworldofmari

    ResponderExcluir
  9. Seguindo o Blog! Parabéns!

    O link é: http://overdoselite.blogspot.com.br/
    Facebook: https://www.facebook.com/overdoselite

    Bjus

    ResponderExcluir
  10. acredita que ainda não li esse livro xD
    vergonha, neh... rsrsr
    mas assim que tiver uma oportunidade, eu lerei...

    ResponderExcluir
  11. Adorei essa série de posts que você pretende fazer sobre a segunda guerra. É um assunto que, embora bastante triste, me interessa muito. A menina que roubava livros foi uma ótima dica, é um livro muito bonito. Ansioso para o filme?

    Beijos,
    biblioteca-de-resenhas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Nossa, minha opinião sobre o livro difere bastante da sua, ele se tornou um dos meus livros favoritos e não imaginava que pudesse gerar em alguém uma opinião apontando tantos defeitos. Será que gostará mais do filme?

    umarcoirisdeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir