terça-feira, 26 de novembro de 2013

Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios - Marçal Aquino

                                                          SENSACIONAL.
Bom, esse post tem que começar com essa palavra que resume o livro. É super sensacional mesmo.
Ernani. Cauby. Lavínia.

São estes os personagens principais deste romance que foi escrito de forma tão poética.

No interior do país, moram Ernani -um pastor da Igreja; Lavínia -mulher do pastor, foi uma prostituta, e, tem dupla personalidade, mas no enredo, você descobre o porquê de Lavínia ser como é, e ter sido como foi; Cauby -igual ao cantor. Fotógrafo, tem uma plantação de maconha no quintal de casa, e tem um tatu como bicho de estimação.
Também tem o Careca -senhor que mora na mesma pensão que Cauby, e conta uma história de um amor platônico que viveu, com sua amiga, e amada, de trabalho, Marinês.
Cauby, mesmo sabendo que Lavínia é casada com Ernani, tem um caso com ela.
Descobre aos poucos que Lavínia não é "normal". Tem dia que ela chega sempre mansa, calma, e outros dias, sem mais motivos, chega a casa dele "fogosa". Ela tem, como eu já disse, dupla personalidade.
Isso traz a ele problemas, mas ele não consegue, e não quer viver sem ela.
E o título do livro tem super a ver com um acontecimento.

Bom, o livro tem muito mais, mas vou comentar só isso sobre o livro.
Não se engane, NÃO É UMA HISTÓRIA CLICHÊ.
Apesar de muito sexo, não é vulgar.
Super poético.
A forma que ele foi escrito é linda. E super combina com o livro.
É um livro de leitura super rápida, apesar de você não querer terminar logo.


Trechos do livro
:
"Tinha um irmão, mas não mantinha nenhum tipo de contato com ele ou com a mãe havia anos. Não gostava deles a ponto de sentir saudades."
Página 43
"A única coisa anormal era a minha vida sem ela."
Página 67.
"Criada num ambiente rarefeito de afetos, tinha dificuldade na hora de identificar e nomear suas emoções com precisão." Página 127

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Vencendo o passado - Zibia Gaspareto (ditado por Lucius)

                      Olá, hoje venho comentar sobre este livro tão demais, "Vencendo o passado".
                                               
  • Bom, sei que esse é um romance espírita, mas tentarei não comentar sobre religião/doutrina, pois o foco é o livro, e não quero misturar as coisas.

    O livro inicia-se com a família de Carolina (protagonista), que é uma família bem rígida.
    Carolina sente-se mal durante a missa, pois, além de tudo, ia forçada. Ela acredita em Deus, mas diferentemente dos pais. Ela é uma menina inteligente, sensacional, ousada, e, melhor, ela PENSA.
    Seu Pai, Augusto, é ciumento, rígido, quer dar a palavra final nas decisões, ou melhor, ele escolhe e toma as decisões. Sua mãe, Ernestina,  apenas obedece ao marido. E seu irmão, Adalberto, rapaz que não dá importância para as coisas, ou pessoas.
    O Avô de Carolina Morre, e ela vai cuidar da sua avó, Guilhermina, e de sua tia, Odete, que estão muito deprimidas. Elas acabam por apegar-se demais, uma a outra.
                                 
    Carolina, que era do interior, começa a estudar na cidade, e logo se vê, um pouco, com dificuldades, mas tem como amiga, Mônica -que a ajuda muito. E Mônica tem um irmão, Sérgio.
    Ele aproxima-se de Carolina, e apaixonas-se por ela; Ou melhor, são, e sempre foram apaixonados um pelo outro. (Ao se verem, já se reconhecerão... Pois eles tinham sonhos, e nesses sonhos eles se encontravam.)
    Um dos problemas é que Carolina está no seu último ano do colegial -e seu pai já definiu que ela volta para a casa, no interior...
    E ela volta. Mas nem mesmo isso é barreira para um amor que já vem de outras vidas.
    O enredo pode parecer clichê, mas acho super válido darem uma chance ao livro, pois, o livro é MARAVILHOSO.
                                         
    Alguns trechos do livro:

    "Os livros para ela representavam uma forma de fugir da vida sem graça que vivia." página 20
    "A alegria é o alimento da alma." página 121

    p.s.: Tenho muito que agradecer a uma pessoa que, além de me emprestar os livros, me dá super dicas de livros espíritas. Obrigado, Rose; Muito Obrigado mesmo.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

selo Liebster Award

Bom, aqui está a tag deste selo -e respondida ;)
Desculpem-nos a demora.
Fomos indicados pelo Solstício e equinócio e pelo Na estante de um garoto                                                    

Regras da tag:




  1. Falar 11 coisas aleatórias sobre mim; 
  2. Responder as 11 perguntas feitas por quem te indicou;
  3. Criar outras 11 perguntas e indicar para outros 11 blogs;

    Perguntas do blog Solstício e equinócio

1 - Fugindo um pouco da literatura, e indo para a arte, qual seria o seu tipo de esporte preferido? Caso não tenha, admira algum em especial?

          I-  Sou sedentário
         V- Não, e não.
     2 - De que literatura é uma arte, todo mundo sabe, mas você conseguiria me citar um personagem, que esteja envolvido com a arte de alguma maneira, que você tenha gostado?
             I-  No livro "Ainda Resta uma esperança", de Johannes Mario Simmel, tem um personagem  que é tradutor, e admirei-o muitonão lembro o nome dele, crying/
     V- Não gostei do personagem, mas, no livro “Um gosto e seis vinténs”, tem o Charles Strickland, que é
pintor.
    3 - Cite o melhor quote do livro que você esta lendo no momento. Caso não tenha acabado o livro, qual foi o melhor até agora?
                                 I-  É complicado. Estou lendo Guerra dos Tronos.             
               V -
"A viagem não começa quando se percorrem as distâncias, mas quando se atravessam as fronteiras interiores." - Mia Couto, O outro pé da Sereia
    4 - Você possui algum tipo de ritual pré ou pós leitura? Qualquer coisa é válida.
                I-  De preferência, ter post-it.
V- Não.
   5 - Acho que todo mundo já viu pelo menos uma série televisiva na vida, e com isso você conseguiria me dizer qual foi a sua preferida? Caso ainda esteja sendo rodada, qual é?
                I-  Toma .
V- Vampire Diaries
   6 - Estou afim de chorar pessoa, então compartilhe comigo, qual o último livro que te fez derramar sumos ao se espremer o coração?
                 I-  A vez da minha vida, e, Outro pé da sereia.
V- Terceiro travesseiro; Não chorei, foi apenas o que cheguei mais perto de chorar.
    7 - Vamos lá, me diz o seu gênero literário preferido.
                        I- Drama/Romance/Espiríta.
              V- Drama/Terror.
   8 - Nem sempre o nosso autor preferido escreve nosso gênero preferido. Então tendo isso em mãos, me diga seu autor preferido, mas que não escreva nada em relação ao seu gênero preferido.
                     I- Helen Fielding
             V- J. K. Rowling
  9 - Recentemente o 'S&E' recebeu um post em relação a temática Steampunk. Você conhece o gênero? Se sim, qual seu livro preferido do gênero?
           Temos interesse em ler algo neste estilo, mas que seja bem escrito.
 10 - Lembra daquele último livro que te fez chorar? Pois então, você conseguiria me mostrar uma trilha sonora para este livro?
                   I- Não.
           V- Não.
 11 - Para finalizar, me retire uma dúvida cruel. Foi somente a paixão pelos livros que realmente te fez criar o blog, ou existe mais alguma coisa em relação a isso?
            
I- Ter um blog com o Victor, e comentar sobre nossas leituras.
          V- Ter um blog com o Italo, e comentar nossos livros.


Na estante de um garoto

1- Qual a editora que mais se repete em sua estante?
I- Abril.
V- Abril/Intrínseca. 
2- Coleciona algo á mais que não seja livros?
I- Material escolar(Lápis, caneta, caderninho, e coisas assim.)
V- Quadrinhos.
3- Qual a maior loucura que já fez pra sustentar o vício em livros?
Não, nenhuma.
4- Tem birra com algum autor? Por quê?
I- Sparks. Acho muito "repetitivo".
V – Sparks. Não consigo gostar das coisas que ele escreve. São todas iguais e sem conteúdo significativo.
5- Se pudesse escolher três livros para caírem em suas mãos agora quais seriam?

I- Os Passáros e outros contos macabros, Daphne Du Maurier. Orlando, Virgínia Woolf. Fluam, minhas lágrimas, disse o policial, Philip K. Dick.
V- Assassin’s Creed vol. 5, Os Pilares da Terra (Ken Follet) e Cultura da Convergência (Henry Jenkins)
6-
O que acha sobre ler  e escutar música ao mesmo tempo?
I- Não gosto.
V- Não gosto, tira minha concentração.
7- Frequenta algum tipo de club do livro, ou algo do tipo?
I- Não.
V- Não.
8- Pra você o que estraga o desfecho da história do final de um livro?
I- Um final mal escrito, ou que aconteça algo que não goste com meu personagem favorito.
V- Muitas coisas. Um desfecho que deixe buracos na trama, ou que seja apressado demais e quebre o ritmo que a narrativa vinha construindo... Tantas coisas.
9- Qual o livro mais valioso que já ganhou?
I- Crepúsculo e Amanhecer, pois foram os livros que me fizeram conhecer o Victor <3
V- O Morro dos Ventos Uivantes, pois foi o primeiro livro que ganhei do meu amor *---*
10- Um livro que você deteste.
Cidade dos Ossos
11- Bruxo, Tributo, Semideus ou outros?
Nenhum.

Perguntas a serem respondidas pelos blogs que indicaremos:
1- Usa post-it, marca-texto, algo do tipo?
2- Compra mais em livraria ou Sebos?
3- Por qual motivo tens blog?
4- Gosta de ler que estilo?
5- Namora? se sim, Seu(sua) namorado(a) gosta de ler?
6- Gosta de papelaria? O que mais compra lá?
7- Tens vontade de escrever um livro?
8- O que acha dos clássicos, e dos Y.A.?
9- Sabe quantos livros tem?
10- Curte algum escritor desconhecido?
11- Qual seu autor, ou autora, favorito(a)?
Blog's indicados:(sim, indicamos menos que 11)
Geração leitura
Balanço nas estrelas
Leitura em foco
Torpor Niilista
Vidas em preto e branco
Books and movies
Amantes da leitura

terça-feira, 12 de novembro de 2013

#Segunda Guerra Mundial ~Parte 2

Bom, dando continuidade a esta série de postagens, hoje venho falar sobre "Olga", de Fernando Morais.

Primeiro, preciso dizer a vocês que este livro é sensacional! Muito bem escrito, bem detalhado.
Se você gosta de história, este livro é um "prato cheio".
O livro inicia contado a história de Olga Benário, aos 15 anos, filha de um advogado(o qual, ela não nega admirá-lo), entra em um grupo de comunistas, por mais que no começo ela não seja "bem aceita", ela logo mostra sua independência. Neste grupo, ela conhece Otto, que é um homem por quem ela se apaixona. E foge com ele.
"As sessões de cinema em Berlim passaram a ser precedidas, assim que as luzes se apagavam, da exibição de um slide reproduzindo o cartaz com fotos de Olga e Otto e a oferta de 5 mil marcos a que informasse o paradeiro deles." página 5
Otto é ciumento, e começa a ficar complicado o relacionamento dos dois. Rompe-se o relacionamento.
Olga, depois de um tempo, vai "fazer a segurança" de Luís Carlos Prestes; Homem que futuramente tornará-se marido dela, e pai de sua única filha, Anita.

Quando foi presa, estava grávida, mas nem isso foi motivo para deixarem-na em paz.
Depois de muita luta, dona Leocádia, conseguiu a guarda da criança.
Olga, quase sem esperanças, recebe uma carta de dona Leocádia, e nesta carta está escrita toda a situação de Anita, e de Carlos; Olga ver uma esperança.
"Se quisermos ser tratadas com dignidade, temos que nos comportar primeiro como seres humanos e não como animais." página 263
Olga é uma mulher Corajosa. Não fraquejou nem na hora da morte.

Uma das partes do livro que mais me chocou, e que mais me deixou mal, foi quando comentaram que Sabo, amiga de Olga, que estava presa junto com ela. Sabo, antes, estava sofrendo tortura, e todos os dias, pontualmente, por 3 meses, às 3 da madrugada, davam-lhe uma surra.Sabo ficou tão traumatizada que todos os dias,às 3,acordava, e começava a gritar pedindo para que não a matassem, nem que espancassem o marido.
Ah, e este não é um romance epistolar, mas há bastante cartas nele. Algumas que irão, de certo, mexer muito com você.
Enfim, super recomendo este livro ;)

(ah, e sei que ele não é tão a ver com segunda guerra, mas fiz post sobre ele, pois, além de ser ótimo; o livro fala sobre Hitler e Nazismo.)

sábado, 9 de novembro de 2013

O Outro Pé da Sereia - Mia Couto

Bom, hoje venho falar deste MARAVILHOSO livro do Mia Couto.
Cês não tem noção de como "O Outro pé da Sereia" é fantástico.

Enfim, o livro:
O livro começa com Zero Madzero, marido de Mwadia, contando para a esposa, que está acordando naquele instante, sobre uma estrela que ele encontrou e enterrou. Um tempo depois, ele chega a Lázaro, o curandeiro, e mostra uma caixa que desenterrou na floresta, e tem uma imagem de "Nossa Senhora da Ajuda"  e a partir deste momento o Zero estava amaldiçoado.
Eles moram lá em "Antigamente". (É incrível a escolha dos nomes dos locais.)
E, Mwadia para salvar o Marido, vai até Vila Longe para encontrar um local seguro, ou seja, uma Igreja para pôr a imagem.
Quando Mwadia chega à Vila Longe, algo curioso ocorre: Todos afirmam que Zero morreu.(Leia o livro, e tente entender o porquê)

Alguns personagens: Dona Constança, mãe de Mwadia; Jesustino, padrasto de Mwadia, e este personagem tem uma coisa engraçada: ele fica mudando de nome o tempo todo para enganar a morte.
Luzmina, Lázaro, Rosie... Enfim, este livro é cheio de personagens cada um com sua devida importância.
Na minha opinião, a personagem que mais gostei foi a Mwadia.
E uma observação: O livro se passa em duas épocas, Os Portugueses e africanos, em 1560, e também se passa uma parte em 2002.
É um livro que fala sobre Saudade, Morte, acho que sobre coragem, fala sobre tristeza, fala sobre religião, ou melhor, sobre religiões, também comenta sobre negros, escravidão, sobre aceitação de si próprio, sobre racismo... Enfim, fala sobre muitas coisas, todas bem comentadas.
Existem diversas partes neste livro que o farão rir, que irão mexer em tristezas, e certas reflexões que vocês farão após a leitura deste livro.
Não consegui falar aqui nem a metade da grandiosidade que este livro é.
Mais uma vez: é um Livro sensacional!
Todos têm que ler.

Alguns trechos do livro:
"- A saudade é a única dor que me faz esquecer as outras dores." página 75
"-Mas a mãe não gostou de nos ter?
-Nunca vos tive, vocês é que me tiveram a mim, me sugaram não só os peitos, mas chuparam-me o alento de viver." página 171
"O soco dói mais a quem bate do que a quem é batido."página 323

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

#Segunda Guerra Mundial ~Parte 1

  A Segunda Guerra Mundial é um assunto muito abordado hoje, tanto em livros como em filmes. Embora a maior parte desses suportes nos tragam o elemento do nazismo como principal ponto de conflito da obra, ainda assim podemos observar perspectivas diferentes em cada um deles. Pensando nisso, decidimos fazer essa série de posts baseados nos livros que trazem à tona essa temática. Hoje, apresento a vocês A Menina que Roubava Livros.


  "A 'Segunda Guerra' para adolescentes". Assim se poderia definir A Menina que Roubava Livros. A premissa, definitivamente, é essa. Não é um livro adulto, como O Menino do Pijama Listrado, que apesar da pouca idade do protagonista, não é, definitivamente, uma obra para o público mais jovem. O romance de John Boyne é bem mais resumido e deixa muitas coisas abertas para a dedução do leitor - que só compreenderá completamente a história se tiver algum conhecimento prévio sobre a temática. Já no livro de Markus Zusak, embora algumas coisas ainda sejam deixadas à interpretação do leitor, os fatos são mastigados e entregues de uma maneira perfeitamente compreensível. Não é aí, porém, que reside o defeito do livro, pois levando em consideração o seu público alvo (pré-adolescentes ou jovens que estão iniciando-se na leitura), a tática é eficaz.

  O primeiro problema de A Menina que Roubava Livros é o apelo exagerado às metáforas. O autor procura construir um texto extremamente subjetivo, valendo-se para isso de algumas figuras de linguagem, porém de maneira infeliz. O uso do estilo metafórico sobre abuso tão indecente quanto o sexual, resultando em passagens desconexas e sem sentindo. Em síntese, o que Markus Zusak tenta fazer em seu livro, de maneira frustrada, é o que Clarice Lispector nos traz com maestria - porque, a despeito de tudo, tem-se que dar o braço a torcer e admitir que Lispector é, de longe, dentre os escritores, uma das que melhor domina a técnica de se criar um texto transbordando de subjetividade.


  Ao virarmos as folhas, nos deparamos com muitas situações desnecessárias e forçadas - muitas, muitas mesmo - e a leitura de 400 páginas adolescentes se torna cansativa e massante. Embora a narrativa de Zusak não seja completamente despida de valor, ela está longe de ser impecável, e esbarramos em períodos curtos demais, pontos finais que aparecem na hora errada e parágrafos que parecem ter saído de lugar nenhum. Estes são os recursos utilizados pelo autor para tentar conduzir o leitor em um ritmo de leitura exótico; e ao mesmo fator se atribui sua tentativa vã de enfatizar determinadas passagens.
  Quanto ao carisma dos personagens, não há muito o que se criticar. São pessoas simples, cativantes da sua maneira, e é fácil se apegar à vários deles - mas daí a derramar lágrimas ao final (principalmente por que os capítulos de conclusão são exageradamente forçados), é outra história.
  Ao chegar ao fim do livro, a impressão que tive foi uma só: uma verdadeira hipérbole. Uma história simples enfeitada demais, na tentativa de cativar o público jovem. Bom, isso o autor conseguiu; escreveu um best-seller mundial. Mas daí a escrever algo com verdadeiro valor literário...



domingo, 3 de novembro de 2013